Quarta-feira, 22 de Setembro de 2010

Nunca entendera aquele fugir da chuva já depois de encharcados. Mantinha o mesmo passo, abrandava até. Nenhuma diferença afinal que não a de lhe permitir contemplar os pingos a cair, as gotas a rebentar no chão, os reflexos nas poças como aquela em que viu o seu rosto.
Era então ali que a alma dela morava.



publicado por joao moreira de sá às 11:25 | link do post | comentar
|

Creative Commons License
Este Blog está licenciado sob uma Licença Creative Commons.

Micro Cuts



CONTÉM CONTO MEU (já editado Comprar: AQUI
Ocultos Buracos

Promote Your Page Too

VAI CONTER CONTO MEU (pelo Natal, mas já podem clicar na imagem)



mais sobre mim
links
cuts recentes

Dias

Curva

Lama

Avião

Olhos

Cidade

Carro

Ponte

Vida

Vidas

arquivos
Twitter
Joao Moreira de Sa



subscrever feeds